• b-facebook
  • Twitter Round
  • Instagram Black Round
  • YouTube - Black Circle
  • LinkedIn - Black Circle
  • Google+ - Black Circle

17.12.2018

12.10.2018

13.07.2018

13.07.2018

13.07.2018

Please reload

SIGA

Sobreotempo

21.04.2017

E numa rua esquisita da paz, o amor dormia numa caixa escura sem fim. Desceu aos ventos, os setes ventos e renasceu numa fênix que voava perdida. Na cor escura de uma noite sem lua, virou estrela e deixou-se cair feito cometa nas loucuras de uma mente insana que mergulha no rio da meia-noite e faz dos peixes, sua luz, sua estrela.

Adormeceu na areia engoliu poesia numa tarde escura da loucura do dia que amanhecia sem vento, sem sol, atravessou o tempo numa nuvem grosseira, fez-se trovão, encontrou com Iansã e num raio caiu na terra de Oxóssi, na mata encontrou a cura que buscava. Com o vento que lhe cercava, um restinho de sol, um sopro de chuva, fez uma canção que ecou pelos mares e nasceu numa lua nova. 

Navegou pelos oceanos a noite, durante o dia dormia, era lua que tinha conexão, criou o próprio templo, construiu uma nação e se perdeu no poder que criou para si mesmo daquela torre se jogou, juntou os próprios pedaços e transformou-se em um guarda retratos em potes de uma velha senhora que tinha uma casa na mata. Na caixa de correio, uma carta, ela estava dispensada da vida que criara e se libertava como quem diz que não quer nada e  realmente não quer nada dançou com o tempo, pulou feito sapateiros, descobriu arte onde não tinha. Era alegre aquela notícia, ela já tinha dispensado o medo e a fantasia. Num breve andar de violeta, jogou-se ao vento e nasceu feito andorinha pequenina sobre o tempo.  

E ...

Tags:

Please reload

  • Facebook - Black Circle
  • Twitter - Black Circle
  • YouTube - Black Circle
  • Instagram - Black Circle

MELINA GUTERRES

Please reload